Dicas de Viagem, Europa, Grécia, Viagens Internacionais

Grécia (Parte I): O que você precisa saber para planejar a sua viagem dos sonhos

31 de agosto de 2015
As ruínas da Acrópole em Atenas

Ano passado ao planejar as minhas férias um dos únicos destinos europeus que estava fechado desde o início era o meu retorno à França, por circunstâncias muito especiais, já que foi a oportunidade em que pude presentear a minha querida mamis e realizar o sonho dela de conhecer Paris. Porém, como já havia visitado boa parte dos países que integravam a minha lista de desejos e os dias que sobraram para curtir as férias (já havia reservado cinco dias para a cidade luz) não eram suficientes para explorar o Leste Europeu como pretendo fazer ainda em um futuro próximo, eu não sabia qual destino escolher. Foi aí que ao olhar para o mapa da Europa bati os olhos na Grécia e pensei “como é que não fui para a Grécia antes?”. Visitar o país sempre foi um sonho e finalmente me vi diante da oportunidade de conhecer.

A verdade é que, por muito tempo a Grécia sempre foi um destino extremamente caro, e por isso um sonho de consumo de luxo e quase inatingível para muitos. A boa notícia para nós brasileiros é que, com a crise econômica que o país grego tem enfrentado nos últimos anos, os preços para se viajar para a Grécia estão bem mais acessíveis do que há alguns anos atrás. Isto porque, com o objetivo de combater a crise econômica, o país tem investido pesado em um forte aliado: o seu grande potencial turístico. Logo, se já era bom ir para lá antes para se fascinar com suas ruínas antiquíssimas, aprender com seus museus históricos, se deslumbrar com as suas ilhas e praias reluzentes nas mais lindas tonalidades de azul, agora então ficou infinitamente melhor.

Santorini: umas das Ilhas Cíclades mais visitadas

Santorini e seus tons de azul que se confundem com o céu

Uma vez decidida a realização desse “sonho grego”, restava definir quais lugares iria visitar, tarefa não muito fácil quando se dispõe de poucos dias e uma infinidade de opções de roteiro histórico e paradisíaco que a Grécia oferece. Sem dúvida, quando se pensa no país o primeiro grande atrativo que vem à mente é a sua história milenar.

Desse modo, para os amantes de história, além da capital Atenas, Delfos e as cidades da Península do Peloponeso (Corinto, Olímpo, Micenas e Esparta) são boas opções de viagem para se explorar a riqueza histórica e milenar da Grécia, seja através dos variados sítios arqueológicos, seja através dos museus que abrigam.

Outro ponto positivo da Grécia é o povo grego. Apesar da crise econômica que assola o país, é incrível ver que o povo não perdeu a sua alegria e simpatia, além de serem todos muito solícitos e educados, fatores que inegavelmente contribuem para atrair ainda mais os turistas.

DSC_0536

Pathernon: uma das maravilhas do museu a céu aberto que é Atenas

Mas, a Grécia vai além de seu tesouro histórico. E outro maravilhoso e forte motivo para visitar o país são as suas cinematográficas e paradisíacas ilhas espalhadas pelo seu território. E são tantas, cada uma com o cenário mais deslumbrante que outro, o que deixa o turista que pretende visitar o país em uma situação de eterna dúvida, afinal, qual escolher quando temos como opção as Ilhas Sarônicas (são as mais próximas de Atenas: Salamina, Egina, Poros, Hydra e Spetses), as Ilhas Cíclades (representadas por Santorini, Mykonos e Ios), as Ilhas Jônicas (Corfu, Paxi, Lefkada, Ithaki, Kefalonia, Zakynthos e Kythira), Creta, Ilhas Espórades (das 11 ilhas que as formam, apenas Skiathos, Skopelos, Alonissos e Skyros são habitadas), Ilhas do Dodecaneso (arquipélago próximo à Turquia – cujas principais ilhas são: Rhodes, Kos, Kalymnos, Karpathos, Patmos, Tilos, Symi, Leros, Astypalea, Nisyros, Kassos e Halki).

Santorini: uma das mais famosas e visitadas das Ilhas Cíclacades

Santorini com suas casinhas brancas e igrejinhas de cúpula azul: uma das mais famosas e visitadas das Ilhas Cíclades

Estive na Grécia em outubro de 2014, e por óbvio, Atenas, a capital, não podia deixar de constar no roteiro. Como não dispunha de muitos dias (somente cinco dias no total) e para mim era inadmissível não visitar pelo menos uma das famosas ilhas gregas, decidi ir para Santorini, a ilha que mais figurava no meu sonho como destino objeto de desejo naquele momento e, acreditem, mesmo com o pouco tempo que desfrutei em território grego, foi umas das viagens mais linda e sensacional que fiz na vida, até agora (farei posts separados para falar da experiência nesses lugares, aguarde e confira!).

Assim, na hora de definir o seu roteiro para a Grécia, uma sugestão que faço é que você destine pelo menos uns 10 dias para viajar pelo país para ter a oportunidade de explorar mais lugares. As combinações são inúmeras, sendo que em uma só viagem, com mais tempo e um bom planejamento, é possível visitar outras cidades e mais de uma ilha, como por exemplo o combo Atenas, Santorini, Mykonos e Rhodes, ou Atenas e as Ilhas Jônicas, menos famosas que as Ilhas Cíclades e tão belas quanto.

DSC_0961

Depois de traçado esse panorama instigante e convidativo, com as principais características da Grécia, vamos aos aspectos práticos da viagem? Seguem abaixo, as informações e dicas úteis que compartilho para auxiliar no planejamento de sua viagem rumo ao “sonho grego”.

INFORMAÇÕES ÚTEIS

Clima: É mediterrâneo, com muito sol, temperaturas amenas e poucas chuvas. O verão (junho, julho e agosto) é normalmente seco e quente, enquanto que o inverno (dezembro a fevereiro) é seco e úmido, com fortes chuvas de curta duração e ventos. Na primavera (março a maio) e no outono (setembro a novembro) as temperaturas são mais agradáveis e, embora haja possibilidade de chuva, elas são mais raras.

Qual a melhor época para ir? Para quem pretende visitar apenas a parte histórica da Grécia, qualquer época é válida para visitar a Grécia, já que o seu céu é sempre de um azul hipnotizante e raramente chove. Já para visitar as ilhas o verão seria a época ideal, não fosse pelo fato de que o país costuma ficar abarrotado de turistas nesse período e que tudo é mais caro. Assim, a primavera e o outono, por apresentarem temperaturas mais amenas, preços mais baixos, pois fora da alta temporada, e menos turistas, são as melhores estações para viajar para a Grécia (eu viajei em outubro, portanto, outono, e tive uma experiência incrível).

Idioma: É o grego, mas você sempre vai encontrar alguém que é fluente ou pelo menos “arranha” no inglês, em especial os jovens e quem trabalha nos locais turísticos e com turismo. E como disse antes, os gregos são muito simpáticos e sempre dispostos a ajudar, o que já derruba qualquer barreira imposta pela língua.

Fuso horário: +5 horas em relação à Brasília, mas pode chegar a +7 dependendo da época do ano.

Moeda: É o Euro.

Como viajar para a Grécia? Há 3 opções para se viajar para a Grécia: 1) Avião – É o meio mais indicado para quem não tem muito tempoNão há vôos diretos do Brasil para a Grécia, geralmente eles fazem conexão na Alemanha, França, Itália, Holanda, a depender da companhia aérea. Se você quiser viajar para a Grécia a partir de alguma outra cidade europeia também é fácil, utilizando-se de companhias Low Cost, como a EasyJet, que oferecem passagens a ótimos preços se comprados com antecedência; 2) Navio ou Ferry – partem normalmente de países como a Itália, Turquia e Espanha; 3) Trem – a viagem é pelo continente e atravessa boa parte do Leste Europeu. Nessas duas ultimas opções o deslocamento é mais demorado.

Como viajar dentro da Grécia? 1) Avião – possibilitam deslocamentos mais rápidos e as passagens têm bom preço se compradas com antecedência. Duas companhias que voam de Atenas para as ilhas são: a Olympic Air e a Aegean Airlines; 2) Barco- Há uma oferta enorme de de ferryboats, catamarãs e taxi boats que circulam pelas ilhas, inclusive para as mais afastadas. O difícil está na oferta de horários: alguns destinos apresentam poucas opções de chegadas e partidas, o que exige atenção para não perder o único barco do dia. O Site OpenSeas lista informações detalhadas sobre a disponibilidade e os horários: http://www.openseas.gr/en/index.html.

Comida: A comida grega, apesar de saborosa, tem tempero bem forte e pode surpreender estômagos desavisados. Como comida típica a Grécia tem como destaque o gyros, que nada mais é que o famoso churrasco grego (carne fatiada – de porco, boi ou ovelha, que fica assando em um espeto giratório), a sopa de feijão branco, o stifado (carne com cebola, tomate e pimenta) e a salada grega (tomate, pepino, cebola, azeitona e queijo branco). Não deixe de conferir: os seus molhos bem temperados, à base de iogurte e de queijo, o delicioso queijo freta, queijo coalhada típico da Grécia.


 

DICAS ÚTEIS

Dinheiro: (IMPORTANTE!) Devido à crise econômica enfrentada pelo país, a grande maioria dos estabelecimentos comerciais, principalmente os restaurantes, pelo menos em Atenas e Santorini onde fui, não aceitam cartões e só aceitam pagamento em dinheiro. Portanto, não deixem de levar dinheiro em espécie em quantidade suficiente para gastos dessa natureza.

Fique atento: Com a crise econômica vivida pela Grécia, vieram alguns infortúnios para os turistas, como a possibilidade de ser assaltado. Infelizmente, quando estive em Atenas sofri uma tentativa de assalto em plena luz do dia próximo a uma das estações metrô que utilizava. Assim, embora no geral a cidade seja segura, todo cuidado é pouco e fique sempre atento com os seus pertences (mochila, bolsa, carteira) e não ande com joias à vista. Evite também circular em lugares muito isolados à noite.

Curiosidade: Nos restaurantes/lanchonetes/sorveterias os garçons/garçonetes geralmente sempre trazem a conta enrolada dentro de um copo ou deixam em algum recipiente na mesa quando servem a comida. A senha do wi-fi do estabelecimento em geral vem já escrita na conta.

Evite pechinchar em exagero: Como a economia local ainda está em crise, pechinchar demais pode soar como uma descortesia.


DSC_0771

Quando se trata da Grécia, uma coisa é certa: seja qual for o destino escolhido para visitar, o país não irá te decepcionar com os seus fascinantes e históricos cenários, isso sem falar no espetáculo comum em todo o país proporcionado a cada pôr do sol que é  simplesmente belo em todas as regiões, de um dourado peculiar e magnífico.

Gostou dos post?Ficou com alguma dúvida ou tem alguma sugestão ou dica para compartilhar?Deixe seu comentário, que ficarei muito feliz com essa interação.

Na próxima postagem sobre a Grécia, falarei sobre Atenas e suas atrações. Aguarde!

Até mais.

Você também pode gostar

1 Comentário

  • Reply Vinicius Barros 21 de setembro de 2015 at 02:37

    Aliny, gostei demais do seu site. Muito boas as dicas!!! Ficou ótimo. Anotei as da Grécia porque é para lá que eu quero ir hehehehe beijo grande,

  • Deixe uma Resposta

    @MELEVENAMALA – INSTAGRAM

    • Crocia Dubrovnik Dubrovnik vista do alto no pr do solhellip
    • Crocia Hvar  Fort Spanjola E a Crocia segue sehellip
    • Crocia Hvar Hvar a pronncia  rurr com certeza noshellip
    • Crocia Plitvice Lakes O belssimo Parque Nacional dos Lagos Plivticehellip
    • Turquia Gumbet  Pennsula de Bodrum Tem coisa melhor quehellip
    • Mato Grosso Pantanal  Sesc Baa das Pedras E ahellip
    • Mato Grosso Pantanal Sesc Pantanal To lindo quanto ver ohellip
    • Mato Grosso Pantanal Hotel Sesc Porto Cercado Passando para florirhellip
    • Mato Grosso Pantanal  Hotel Sesc Porto Cercado Tudo ohellip
    • Turquia Blue Lagoon Oludeniz Nesse finzinho de domingo nada melhorhellip
    Por favor, aguarde...

    Assine a nossa newsletter

    Quer ser notificado quando o nosso artigo é publicado? Digite seu endereço de e-mail e nome abaixo para ser o primeiro a saber.